sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Mba - Uss "Coaching e desenvolvimento de pessoas e carreiras"

Pós-Graduação (MBA) 
País: Brasil
Universidade Severino Sombra
Coaching e Desenvolvimento de Pessoas e Carreiras
Um dos diferenciais deste curso consiste na atribuição simultânea de uma Certificação Internacional em Coaching, que capacitará os estudantes/egressos, também, para o exercício dessa atividade que está em franco crescimento no mundo inteiro. O curso inclui conteúdos de grande valia profissional, embora ainda pouco encontrados nas Universidades. Além disto, apresenta a vantagem inovadora de ter professores oriundos de diferentes países e escolas, apresentando a internacionalização como uma realidade em termos de pós-graduação na USS

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

As redes sociais e as relações humanas.

Nos dias de hoje, é impensável a não existência de um lote (talvez exagerado) de redes ditas sociais.



Elas apresentam-se-nos como uma forma nova e “in” de comunicação entre as pessoas, conceito este de que me permito discordar.

 Muitos, julgando-se (erradamente), detentores do direito quase obrigacionista de escrever e/ou dizer tudo o que vai nas suas cabeças e almas, independentemente da razoabilidade ou veracidade da colocação. Na maioria dos casos sem pensar por um segundo que poderá estar ferir ou prejudicar um terceiro.  

A globalização e respetiva popularização de ferramentas como a internet, vieram permitir que todo e qualquer sujeito detentor de um computador e uma ligação à web passasse a ter um acesso mundial a quase tudo e quase todos.


A última década foi indubitavelmente de explosão, com o surgimento de sítios com temas e ofertas tão variadas que vão em muitos casos muito para lá da simples comunicação interpessoal. 

Há quem advogue que as redes sociais potenciam e reforçam as relações humanas.

É uma opinião, e como tal, tão válida como qualquer outra. Não deixa de ser uma hipótese de abordagem.

Pessoalmente, sou muito cético a este respeito.

No entanto é uma verdade que com o evento das redes sociais, quem se liga ou usa, tem a possibilidade de se envolver e participar num grande número de eventos, sociais ou de outra ordem, de se envolver no dia-a-dia da comunidade a que pertence e em mais uma panóplia de virtualidades que são disponibilizadas e publicitadas nas próprias redes, incluindo o contato rápido e quase direto com pessoas que de outra forma, provavelmente, nunca conheceríamos.

O seu maior e mais nefasto perigo, será, o sistémico desinteresse por relações de contato real e consequente isolamento por parte dos usuários.


Como em qualquer outro evento, as redes sociais também fazem o seu caminho, evoluindo de um status para outro de forma natural, basta pensar que todas, mas todas sem uma única exceção, são alvo de campanhas e estudos de marketing que as orientam e conduzem para o ponto que os seus criadores ou gestores entendem como sendo o objetivo da dita.

Assim, no início o publico das redes eram maioritariamente jovens, para quem as novas tecnologias faziam parte do cotidiano, enquanto hoje é extremamente difícil definir com algum rigor, qual o publico, parecendo que todos estão de alguma forma ligados (dependentes?) de uma qualquer rede social.

Estima-se que cerca de 72% dos utilizadores de internet, são também integrantes de uma rede social ou mais do que uma.


Alguns especialistas, defendem que o fazer parte de uma rede social pode ser um conforto para o utilizador.

Pode ser. No entanto, defendo que em casos (e são muitos) de utilização excessiva, por um ou outro motivo, elas são causadoras de isolamento social, exposição exagerada, fonte de boato e desinformação, causando assim nos incautos, sentimentos de insegurança ou então de segurança fictícia que pode gerar exacerbos perniciosos.

Elas são portadoras de muitos apelos a mudanças expostas de forma não estruturada, com todas as consequências que podem daí advir. 


Façamos uma pausa breve e coloquemo-nos as seguintes perguntas:

Qual o impacto que as redes sociais têm na nossa vida?

Que vantagens e desvantagens podem ser encontradas nesses sítios?

Porque é que depois de usar não deixamos de voltar lá e permitimos que sejam elemento incontornável do nosso dia-a-dia?

Porque precisamos de utilizar as redes socias?

 

Bem, como já vimos, as redes sociais permitem um acesso rápido a quase toda a gente. A gestão desses contatos e de agenda torna-se mais fácil quando numa rede social, desde que dominemos a ferramenta.

Elas permitem que estejamos ligados ao Mundo, seja com o vizinho do lado, seja com qualquer ponto do globo (ou fora dele) com a mesma facilidade, isto é, quase sem restrições ou limites podemos ligar e gerir ligações em todo o mundo.

Elas permitem encurtar distancias.

Quem não usa ferramentas como o Messenger, facebook ou skype para falar e ver um familiar que se encontra longe e de outra forma seria difícil o contato?

A partilha que permitem, seja de questões técnicas ou científicas, de segurança a qualquer nível ou simplesmente de coisas e ideias do foro pessoal.

As sublevações mais recentes no medio oriente, começaram nas redes sociais.

As redes sociais facilitam também o contato breve e rápido entre pessoas e feedback quase instantâneo.

Pois é. Estas são algumas das vantagens das redes e estão na nossa vida, queiramos ou não.


Como não há bela sem senão, também existem desvantagens, e algumas delas bem significativas.

Por exemplo: tudo o que lá colocamos passa a ser do domínio publico, seja a vida privada de cada um, seja a descoberta de uma nova pólvora.

Cuidado portanto aos conteúdos que se partilham. Uma vez lá postados, não há mais lugar a lamentações quanto ao desfecho ou comentários em que vierem a resultar.

 


Segundo estudos sociais realizados recentemente, as redes sociais são diretamente responsáveis pela perda da capacidade de comunicação verbal entre as pessoas de camadas mais jovens.

No Michigan, os investigadores da Universidade, concluíram que os estudantes que passam grande parte do seu dia, “pendurados” nas redes, perdem o contato com a realidade mas também a capacidade de sentir compaixão pelo outro e de criar empatia.

Uma outra desvantagem (e que levou já a que imensas empresas tenham eliminado a possibilidade de acesso às redes sociais nos seus servidores), é o fato de a sua utilização não controlada, gerar um adiamento sistemático das tarefas que na empresa, quer em casa.

Mas a possibilidade mais grave que se abre nas redes sociais, é sem duvida a possibilidade que qualquer usuário detém de criar e difundir desinformação. Bem vemos os postes virais, que de uma não noticia, se faz notícia mundial num abrir e fechar de olhos.

 

Em suma, as redes sociais não são boas nem são más.

As pessoas sim. Podem escolher ser uma coisa ou outra.

Só as pessoas podem fazer uma boa ou má utilização de uma ferramenta que têm ao seu dispor.

Carlos Pinto